fbpx
Saúde

Mais de 300 mil brasileiros morrem por ano por causa da arritmia cardíaca

Mais de 300 mil brasileiros morrem por ano por causa da arritmia cardíaca
imagem: heart-1767552_640 / Autor: sbtlneet / Pixabay License

O Cardiologista Guili Pech revela que mais de 300 mil brasileiros morrem por ano por causa da arritmia cardíaca. E explica também sobre cuidados preventivos, tratamentos e causas de arritmia cardíaca

As arritmias cardíacas são modificações no ritmo do coração que podem levar às chamadas taquicardias (coração acelerado) ou a bradicardia (coração lento). Essas variações cardíacas acometem mais de 20 milhões de brasileiros e são responsáveis pela morte de 320 mil pessoas aproximadamente, de acordo com a SOBRAC – Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas. Segundo a SOBRAC, cerca de 400 mil brasileiros morrerão por doenças do coração e da circulação em 2020.

As arritmias ocorrem das formas mais diversas: benignas, assintomáticas ou até mesmo aquelas mais graves que podem culminar em morte súbita. As causas são as mais diversas: problemas congênitos, hereditários ou adquiridos por doenças do coração ou sistêmicas.

Dentre alguns outros fatores, estão o sedentarismo, tabagismo, obesidade e/ou sobrepeso, problemas com o sono, tais como apneia, alcoolismo, distúrbios de tireoide, hipertensão, diabetes, estresse. ~Segundo o médico cardiologista Guili Pech, especialista em arritmias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, algumas dessas doenças do coração podem ser evitadas por meio de cuidados preventivos e medidas terapêuticas.

“Não existe nenhum remédio ou intervenção cirúrgica com
Mais benefícios do que a mudança de estilo de vida” Buscar emagrecer, realizar exercícios físicos, alimentar-se bem, parar de fumar. As medidas comportamentais são fundamentais para a prevenção de qualquer doença, em especial das doenças cardíacas: da hipertensão, do coração grande, do infarto do miocárdio e até mesmo da morte por arritmias.”

Mais de 300 mil brasileiros morrem por ano por causa da arritmia cardíaca
Foto: heartache-1846050_640, Autor: Pexels / Pixabay License



De acordo com o Dr.Guili Pech, a doença cardíaca é a doença que mais mata no Brasil, e acrescenta “estima-se que, com essa epidemia de obesidade, hábitos de alimentação por fast-food, tendem a aumentar ainda mais esses números”.

O especialista também explica que um acompanhamento aliado a uma mudança de estilo de vida diminui os riscos naqueles pacientes que possuem predisposição a ter problemas cardíacos graves, “ter um médico cardiologista que te acompanhe, principalmente depois dos 40 ou 45 anos, manter medidas não apenas terapêuticas, mas preventivas. Aliar melhores hábitos de saúde e estilo de vida com um acompanhamento médico frequente.

Sendo assim, as chances de ter problemas cardiológicos graves num futuro é muito menor”, salienta o médico cardiologista. Além disso, o Dr.Guili Pech também conta como o coração funciona e o que se pode fazer para prevenir riscos, já que muitas vezes, são problemas “silenciosos” e que, quando apresentam sintomas, já encontra-se em estado de maior gravidade.

“Já cansei de ter pacientes em que tiveram obstruções de em uma ou duas artérias do
Coração e não sentem absolutamente nada. E quando sentem, já não podemos fazer muito por esse paciente. Então, o ideal é buscar um acompanhamento já quando você apresenta fatores de risco, mas sem sintomas. Agora, quando dá sintomas, geralmente obstrução de coronárias, que são as doenças mais comuns de coração, é aquela dor no peito, uma dor que aperta e pode irradiar para o braço esquerdo e pior, normalmente, com atividades físicas. Normalmente, as dores cardíacas vêm antes com um esforço e depois com o repouso. Isso não é uma regra, mas essas são as principais características”.

Ainda assim, o profissional da saúde alerta para os cuidados preventivos e da importância de realizar exames periódicos, “o mais importante é saber se a sua pressão arterial está bem, se a sua glicose está bem, como estão seus níveis de colesterol e fazer atividades físicas para não deixar chegar ao ponto de chegar em sintomas de doenças cardiológicas”.

Guile Pech é médico cardiologista, com título de residência médica em Cardiologia e Arritmologia clínica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, e Título de especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia CRM : 5286323-8

site: www.guilipech.com.br
Instagram: @guilipech

Adicionar comentário

Clique aqui para publicar um comentário