Brasil Notícias Política

Políticos do “bloco dos sujos” liberados, “Crivellaço” e capitão descontrolado

Se tem um grupo que está ‘feliz’ com a Pandemia é o dos políticos. Além de compras, sem licitação, que está gerando processos, o adiamento das eleições salvou muitos. Assim o período de inelegibilidade de quem não poderia concorrer em outubro já terá esgotado no mês seguinte. Ou seja, graças a uma decisão tomada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) os candidatos enquadrados na Lei da Ficha Limpa impedidos de concorrer às eleições municipais de 4 de outubro vão poder disputar o pleito em 15 de novembro. O mais curioso foi a análise de um Ministro do STF. “eu diria que sorte é sorte. No caso de alguns possíveis candidatos que seriam inelegíveis, não dependeu deles a ocorrência da alteração da data da eleição”, sorte Dr. Ministro Alexandre de Moraes? Sorte?!? Para eles claro, mas para a população é mais uma que o urubu faz em cima…

Guardiões do Prefeito viram ‘bola nas costas’ do homem

Não dá para saber quem está mais ofendido se a MARVEL ou os cariocas. “Guardiões do Crivella”?!? Fala sério, não dava para arrumar uma alcunha menos prejudicial aos super-heróis? Só para lembrar algumas bolas fora: as supostas obras e melhorias em hospitais e UPA’S, benefícios ao seu “rebanho” e as famosas fases de flexibilização que só aumentaram o número de contaminados. Agora o Prefeito/Pastor nomeia assessores políticos para impedir que a população denuncie descasos da saúde Municipal e os “hulks” (desculpe Marvel) impedem a imprensa de trabalhar. Se o objetivo era evitar críticas e má imagem de sua administração visando a eleição, o efeito foi o mesmo que esconder um elefante numa caixa de fósforo…e ainda correndo o risco de ser aberto processo de impeachment contra você Criva…

Capitão, vacinação é obrigatória sim, sabia? Ah esses políticos…

Nosso capitão estava ‘sob controle’, tipo ‘Lulinha Paz e amor’ (opa! aí não!), mas perdeu o prumo. Questionado por uma senhora que criticava uma suposta vacina contra o coronavírus Bolsonaro respondeu: “Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina”. Para piorar a Secretaria de Comunicação do Governo publicou nas redes sociais uma peça publicitária com a frase do capita. A alegação da SECOM é de prezar pela “liberdade dos brasileiros”. Mas, ao invés disso os ‘comunicadores’ ou políticos do governo deveriam ensinar ao Sr. Presidente que desde 1970 com a criação do Programa Nacional de Imunizações a aplicação de vacinas em crianças é obrigatória. E no Estatuto da Criança e do Adolescente, lei aprovada em 1990, diz em seu artigo 14, que: “É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias. Dá para se informar antes de falar?!?

Adicionar comentário

Clique aqui para publicar um comentário